quinta-feira, 31 de maio de 2012

Ancine aprova regulamentação do SeAC, que sai nos próximos dias no Diário Oficial


A Ancine aprovou finalmente  as instruções normativas que regulamentarão o Serviço de Acesso Condicionado (SeAC). São duas INs, uma referente ao serviço em si e outra referente ao credenciamento das empresas produtoras, programadoras e empacotadoras. O texto ainda não foi publicado porque os ajustes de redação pedidos pela diretoria colegiada da Ancine estão ainda sendo processados, mas a expectativa é que nesta sexta, dia 1º, ou no começo da próxima semana a regulamentação já esteja publicada em Diário Oficial. As INs da Ancine são fundamentais no processo de abertura do mercado de TV por assinatura iniciado com a Lei 12.485/2011.

Apresentação pública

Manoel Rangel, presidente da Ancine, fará na próxima segunda, dia 4, a abertura do Fórum Brasil de Televisão, evento anual de encontro do mercado de produtoras e canais de TV, em São Paulo. Mais informações sobre a programação e inscrições pelo site www.forumbrasiltv.com.br.

Fonte: Tela Viva News

Apple diz ter "interesse intenso" na indústria de TV



Embora não tenha revelado quais são seus planos, nem que produtos devem ser lançados, Tim Cook, CEO da Apple, apontou um "interesse intenso" da empresa na área de TV. O CEO participou da abertura do evento anual All Things Digital nesta quarta, 30, na Califórnia. A única pista de Cook foi "nós temos algumas coisas incríveis sendo lançadas", mas sem confirmar os rumores de desenvolvimento de uma TV conectada.

O executivo admitiu que esta área não é tão significativa para a empresa quanto o mercado de telefones ou de venda de música. No entanto, apontou um crescimento grande nas vendas das caixinhas Apple TV. Segundo ele, foram vendidas 2,8 milhões de Apple TVs em 2011. Este ano, nos quatro primeiros meses, já foram vendidas 2,7 milhões.

Fonte: Tela Viva News

Globo Marcas será licenciadora master da Copa no Brasil


A Globo Marcas foi anunciada pela Fifa nesta quarta, 30, como licenciadora master para os produtos oficiais da Copa 2014. O é válido até o final de 2014, incluindo as operações da Copa das Confederações, em 2013.

A empresa terá direitos exclusivos em território brasileiro para o licenciamento e a operação de canais oficiais de distribuição, inclusive dentro dos estádios.

Fonte: Tela Viva News

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Pe Fábio de Melo - Tudo e do Pai. AMIGOS E AMIGAS. NÃO SE ESQUEÇAM... DEUS, SONHOU COM VOCÊ ANTES DE SEUS PAIS SONHAREM COM VOCÊ. ARREPENDA DE SEUS PECADOS, QUEBRANTA TEU CORAÇÃO E VIVA EM CRISTO. BEIJE SEUS FILHOS E FAMILIAS , AGRADEÇA A DEUS POR TUDO. AMO VOCES E BOA NOITE.

AMIGOS E AMIGAS. 

NÃO SE ESQUEÇAM... DEUS, SONHOU COM VOCÊ ANTES DE SEUS PAIS SONHAREM COM VOCÊ.


ARREPENDA DE SEUS PECADOS, QUEBRANTA TEU CORAÇÃO E VIVA EM CRISTO.

BEIJE SEUS FILHOS E FAMILIAS , AGRADEÇA A DEUS POR TUDO.

AMO VOCES E BOA NOITE.



Eu tenho um chamado E VOCE??? Deus te ama.




Quando tudo diz que não. OUÇA É PARA VOCE DE CORAÇÃO. DEUS ESTA CONTIGO. NÃO DESISTA. MARCAO CAVALCANTE.

Quando tudo diz que não. OUÇA É PARA VOCE DE CORAÇÃO. DEUS ESTA CONTIGO. NÃO DESISTA. MARCAO CAVALCANTE.


Marcelo D2 Desabafo Deixa Eu Dizer




ESSA É PARA MEXER COM VOCE. REAGE, MEU POVO. COMECE POR VOCE, SUA FAMILIA, COMUNIDADE E ETC.. MARCAO CAVALCANTEGabriel O Pensador -Nunca Serão (Dirigido por José Padilha e Oscar Rodri...


ESSA É PARA MEXER COM VOCE.

REAGE, MEU POVO.

COMECE POR VOCE, SUA FAMILIA, COMUNIDADE E ETC.




PENSA , MEU POVO. MARCAO CAVALCANTE.Sinto Vergonha de Mim. Rui Barbosa

PENSA , MEU POVO.



Minha Casa, Minha Vida sustenta alta dos investimentos em 2012



Minha Casa, Minha Vida sustenta alta dos investimentos em 2012

Publicação: 30/05/2012 18:30 Atualização:
A alta de 28,9% dos investimentos federais em 2012 decorreu dos subsídios para os financiamentos habitacionais e não das obras públicas. Dos R$ 21,1 bilhões investidos pelo governo federal neste ano, mais de R$ 7 bilhões correspondem aos gastos com o Minha Casa, Minha Vida. Sem o montante, esse tipo de despesa teria registrado queda.

Excluindo o programa habitacional, os investimentos federais registraram queda de 3,5% de janeiro a abril deste ano na comparação com o mesmo período de 2011. Sem o Minha Casa, Minha Vida, o governo desembolsou R$ 14 bilhões diretamente em obras públicas nos quatro primeiros meses do ano, ante R$ 14,5 bilhões no primeiro quadrimestre do ano passado.

Até o ano passado, o Tesouro Nacional não considerava as despesas do Minha Casa, Minha Vida como investimento público. O programa habitacional, no entanto, sempre esteve incorporado aos gastos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Desde janeiro, no entanto, o órgão mudou o critério de contabilidade e passou a registrar os subsídios para os financiamentos habitacionais como investimento.

Neste ano, os gastos com o Minha Casa, Minha Vida mais do que triplicaram, totalizando R$ 7,1 bilhões entre janeiro e abril. No mesmo período do ano passado, o governo havia desembolsado R$ 1,9 bilhão.

Fazenda discute simplificação de PIS e Cofins




Fazenda discute simplificação de PIS e Cofins

Publicação: 30/05/2012 18:02 Atualização:
O secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, confirmou nesta quarta-feira que o governo discute a simplificação da cobrança de PIS e Cofins, segundo proposta apresentada pelo setor empresarial. De acordo com ele, toda compra de insumo, mesmo que não seja usado na produção, e de serviço passaria a gerar crédito tributário.

Ele disse que, "sem dúvida", a proposta simplifica, mas tem um custo fiscal. Como toda compra de insumo passará a gerar crédito haveria uma redução de arrecadação.  Por isso, afirmou, a medida depende de espaço fiscal. Mas Barbosa revelou que pode haver um aumento de alíquota, hoje de 9,25%, para tornar a medida neutra do ponto de vista tributário.

O secretário disse que alguns setores empresariais apoiam o aumento da alíquota em troca da unificação dos dois tributos. "Mas esta é uma questão complexa. Não quero colocar prazo", afirmou. Barbosa disse que a discussão ainda teria que incluir os regimes especiais de PIS e Cofins existentes, como para café, carne e para investimentos. "Qualquer mudança significa rever tudo isso. É uma mudança complexa e não está fechada esta questão", afirmou.

Em dia de Copom, Bovespa cai 1,53%, para mínima desde outubro de 2011



Em dia de Copom, Bovespa cai 1,53%, para mínima desde outubro de 2011

Marina Rigueira - Estado de Minas
Publicação: 30/05/2012 19:46 Atualização:
No dia da decisão do Copom (Comitê de Política Monetária), o Ibovespa recuou 1,53%, terminando esta quarta-feira aos 53.797 pontos - seu menor fechamento desde 10 de outubro de 2011, quando havia fechado a 53.273 pontos. A elevação da aversão ao risco derrubou as principais bolsas mundiais levando o dinheiro para investimentos considerados seguros, como os títulos do Tesouro dos EUA. O giro financeiro foi de R$ 6,47 bilhões.

Nesta sessão, o contrato para proteção contra calote na Espanha alcançou nível recorde, mostrando o temor dos investidores após o BCE (Banco Central Europeu) supostamente rejeitar o plano do governo espanhol de financiar o Bankia. O BCE negou ter tido conversas acerca o assunto. A Comissão Europeia sugeriu, por sua vez, sugeriu uma "união bancária" para salvar setor financeiro.
Por aqui, a principal referência foi a reunião do Copom, que deve definir o novo patamar da Selic. O mercado acredita que a taxa básica de juro brasileira deve ser reduzida em 50 pontos-base para 8,5% ao ano.

O dólar encerrou esta quarta-feira em forte alta, voltando a fechar acima dos R$ 2,00, após três dias abaixo desse patamar. O ambiente de maior aversão ao risco, em meio ao desenrolar da crise na Zona do Euro, mostrou seus efeitos sobre o desempenho da divisa norte-americana, levando a uma valorização de 1,47% da moeda, cotada aos R$ 2,0155 na venda.

Inadimplência das empresas recua 9,5% de março para abril, maior queda no período desde 2007



Inadimplência das empresas recua 9,5% de março para abril, maior queda no período desde 2007



29/05/2012 11:36

A inadimplência das empresas recuou 9,5% em abril na comparação com março. De acordo com o levantamento divulgado nesta terça-feira (29/5) pela empresa de consultoria Serasa Experian, é a maior queda verificada para o período desde 2007, quando a redução chegou a 11,1%. Na comparação com abril do ano passado, no entanto, a inadimplência apresentou alta de 11,8%. No período acumulado de janeiro a abril, o aumento chega a 18,7%.

Na avaliação dos economistas da Serasa, alguns setores já se beneficiam dos juros mais baixos no crédito e dos estímulos ao consumo anunciados pelo governo.

“De qualquer forma, o efeito ainda não é generalizado entre as empresas e é preciso considerar também que vários setores sofrem mais os impactos da crise global, via redução das exportações e do crédito externo”, destaca comunicado divulgado pela Serasa.

A queda da inadimplência em abril ante março também está relacionada ao menor número de dias úteis no quarto mês do ano e à forte base de comparação, pois no terceiro mês o crescimento verificado no indicador chegou a 11,6%.

As dívidas não bancárias (cartões de crédito e com financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços como telefonia e fornecimento de energia elétrica e água) tiveram um valor médio de R$ 776,77, o que representou um crescimento de 4,4% no primeiros quatro meses do ano em relação ao mesmo período do ano passado.

As dívidas com bancos tiveram um valor médio de R$ 5.285,55, 4,2% a mais do que no primeiro quadrimestre de 2011. Nos títulos protestados, o valor médio verificado no primeiro quadrimestre foi R$ 1.894,26, com elevação de 11,1%. Os cheques sem fundos tiveram, nos quatro primeiros meses de 2012, um valor médio de R$ 2.196,79, representando um aumento de 7,1% na comparação com o primeiro quadrimestre do ano anterior.

BH se prepara para três experiências de viradas culturais, com programação variada por 24 horas Estreia será em 23 de junho, durante o FIT



BH se prepara para três experiências de viradas culturais, com programação variada por 24 horas

Estreia será em 23 de junho, durante o FIT


Sérgio Rodrigo Reis - EM Cultura
Divulgação
Demorou, mas se tudo correr como planejado, Belo Horizonte terá este ano não apenas uma virada cultural, evento que promove atividades em 24 horas ininterruptas, mas sim três. Nos próximos meses, a começar ao meio-dia do dia 23 de junho, durante o Festival Internacional de Teatro Palco & Rua (FIT-BH), a capital mineira poderáexperimentar o que é permanecer “acordada” e agitada por uma maratona de expressões artísticas em diversos espaços e regiões da cidade, e com atividades para diferentes tipos de público. 

A ideia já é praticada ao redor do mundo e, no Brasil, foi testada com sucesso em São Paulo. Só o tempo dirá se as viradas com sotaque local darão certo e vão perdurar ou se é um modismo, mas vale a pena se preparar para o que vem por aí. Além das atividades durante o FIT, promovidas pela Prefeitura de BH, haverá outra virada prevista para julho, dessa vez organizada pelo governo do Estado, no Parque Municipal e Palácio das Artes. Em setembro, a capital volta a ser palco de outro evento semelhante, graças ao Projeto de Lei 1746/2011, de autoria do vereador Daniel Nepomuceno (PSB-MG), que institui oficialmente a Virada Cultural no calendário anual do município. 

A intenção de tornar a capital mais cosmopolita tem mexido com a imaginação de produtores culturais, agentes públicos e da população. O FIT, que se aproxima, será um bom teste para a proposta. “A cidade tem condições de aceitar o convite para essa celebração”, aposta Marcelo Bones, diretor artístico do festival. O local escolhido para a primeira maratona é a Região Central, no eixo compreendido entre a Funarte (próximo à Praça da Estação) e o Teatro Marília (Avenida Alfredo Balena). A promessa é de que a cada hora ocorra uma ação cultural, chamando a atenção para quem deseja permanecer ligado nas atrações. O pacote inclui, além de apresentações teatrais, atividades como shows musicais e projeção de filmes. 

A Virada Teatral, como o evento do FIT está sendo chamado, começará com a peça Mania de explicação, no Teatro Francisco Nunes, que depois de três anos fechado para reformas volta a funcionar temporariamente na ocasião. A apresentação dividirá a atenção do público com intervenções simultâneas no Parque Municipal. Estão planejados os espetáculos Ópera dos vivos (São Paulo),Domínio público (Espanha), Translunar paradise (Inglaterra), Por que a gente não é assim? Ou por que a gente é assado? (Fortaleza) e, de Belo Horizonte, Ressonâncias Palhaços à vista.

A festa durante o Festival Internacional de Teatro terá como destaque, na madrugada do dia 24, uma sessão de cinema com a pré-estreia de Evoé – Retrato de um antropófago. O documentário, que será exibido no Parque Municipal, na Praça dos Patins, tem como tema o diretor, ator e dramaturgo José Celso Martinez Corrêa, fundador do Teatro Oficina, de São Paulo. Dirigido em 2011 por Tadeu Jungle e Elaine César, o filme mistura depoimentos recentes e imagens históricas da carreira de Zé Celso. “A expectativa não é de público imenso, mas de mostrar a cidade para as pessoas que topem a proposição de passar muito tempo disposta a ver arte”, avalia Bones. 

Outros palcos O evento do FIT servirá de teste para as outras propostas semelhantes que prometem ocupar de diferentes maneiras a capital. Previsto para um mês depois da Virada Teatral, outro evento com o mesmo espírito novamente ocupará o Parque Municipal e o Palácio das Artes. Batizado de Noite Branca, numa referência à Nuit Blanche, ação semelhante realizada em Paris, o evento mineiro terá orçamento previsto em R$ 1 milhão e atividades gratuitas, ainda em fase de definição, com prioridade para a produção contemporânea. 

A tentativa de testar Belo Horizonte e seus equipamentos culturais para um evento de grande proporção durante 24 horas foi o que inspirou o vereador Daniel Nepomuceno a propor a Virada Cultural no calendário do município. O projeto entrará definitivamente na agenda no feriado de 7 de setembro. A julgar pela animação durante a última audiência pública que discutiu o assunto, a expectativa do setor é grande. “Será feito, prioritariamente, por artistas de rua de BH e de Minas e deverá atender todas as regionais. Vamos criar uma comissão do poder público para dar suporte às atividades”, adianta o vereador.

Ao contrário das outras viradas culturais que são baseadas em projetos pontuais e ficam à mercê de patrocínio, o projeto da PBH tem mais chance, se der certo, de perdurar. Ainda sem orçamento definido, a iniciativa deverá utilizar como base as atrações escolhidas nos editais trimestrais de seleção de atividades artísticas, promovidos pela Empresa Municipal de Turismo, a Belotur. “A prefeitura está dando um grande passo para levar a família para as ruas. Tudo, é claro, dentro dos limites da Lei do Silêncio. A virada não será baderna, pelo contrário. Vamos ocupar a cidade inteira oferecendo palco aos que menos têm”, conclui.
 
Noite canadense 
 
Thaís Pacheco

Em 2007, durante o outono canadense, a cidade de Toronto realizou uma edição do evento Nuit Blanche. Sob o slogan “Uma noite inteira de arte contemporânea grátis”, parecia imperdível. E foi. Fiz exatamente como sugeria a programação: comecei às 19h e só parei às 7h. A cidade inteira estava tomada de arte, dividida em três áreas, correspondentes a três regiões da cidade. Lembro-me de ver, dentro de um shopping, Noite de São João, obra da artista plástica mineira Laura Belém. Na Galeria de Arte de Ontário, que em dias normais exibe esculturas de Auguste Rodin, naquela noite exibia o show de uma drag queen e uma instalação colaborativa. Durante toda a noite a cidade esteve lotada, as ruas devidamente policiadas e o sistema de transporte público funcionou sem falhas. Foi uma experiência positiva e agradável como consumo de arte. Eventos semelhantes começam a ser pensados para BH. Devem começar mais tímidos. Tomara que dê certo e se amplie. E tomara que haja transporte público pensado especialmente para essas datas. 

Projeto coletivo instalado no Edifício JK, Operação Sonia Silk está com três filmes independentes programados




Projeto coletivo instalado no Edifício JK, Operação Sonia Silk está com três filmes independentes programados

Filmes devem estrear ainda este ano nos cinemas e na televisão


Thaís Pacheco - Estado de Minas
Aline X/Divulgação
Cenado filme O uivo da gaita, dirigido por Bruno Safadi, com Mariana Ximenes, que está sendo montado em BH
No lendário Edifício JK, Região central de Belo Horizonte, entre os 5 mil moradores espalhados em mais de 1,1 mil apartamentos, há uma unidade em que um condômino recebe amigos para passar temporadas ou algumas horas produzindo cinema. E disposto a rever alguns formatos de produção. É lá que se realiza parte da Operação Sonia Silk, projeto que vai realizar três longas-metragens em formato HD, de forma cooperativa, com equipe e elenco comum. Para fazer tudo isso, eles têm R$ 100 mil e uma galera querendo trabalhar.

No elenco dos filmes, nomes de peso da TV, do cinema e do teatro. Entre eles, Mariana Ximenes, Leandra Leal, João Miguel e Jiddu Pinheiro. Por trás das câmeras, os cineastas Bruno Safadi, Felipe Bragança e Ricardo Pretti. O anfitrião no JK é o cineasta Guto Parente, responsável pela montagem do último longa de Bruno Safadi, O uivo da gaita, um dos três títulos da operação. “Juntei-me ao Ricardo Pretti para dirigir e, depois de gravar no Rio de Janeiro, viemos morar aqui no JK. Sonia Silk tem a proposta de trabalhar com a mesma equipe em todos filmes, e o irmão gêmeo de Ricardo, Luiz, que também vai ajudar a montar, mora em BH por ser casado com a cineasta Clarissa Campolina”, conta Bruno Safadi.

A diretora de arte do projeto, Luísa Horta, também é de BH, então estão quase todos em casa. Com planos de lançar os filmes no segundo semestre, a ideia da turma é, de alguma maneira, tentar um novo modelo de produção industrial. Não nos moldes dos grandes estúdios que o Brasil já teve, como a Vera Cruz, mas do ponto de vista experimental. “Não com característica de indústria, muito dinheiro e estúdios. Mas de algo que já se fez no país, com o objetivo de conversar com essa tradição de cinema experimental. Algo como o Ciclo de Cataguases e do Recife, e o grande capítulo dessa história, que é a Belair” explica Safadi.

A Belair, produtora de Júlio Bressane e Rogério Sganzerla, produziu Copacabana, mon amour, comédia em que a personagem protagonista se chama Sonia Silk. “Trabalhei muito com Bressane, fiz um filme sobre a Belair e a gente tem muito interesse nesse universo. Queremos rever essas tentativas de produções experimentais, manter a tradição e, ao mesmo tempo, renovar, para colocá-la para frente”, diz Bruno. Para alcançar o objetivo de refletir sobre como fazer cinema e pensar alternativas para além de leis de incentivo, eles se reuniram. De um lado, Ricardo e Luiz Pretti e Guto Parente e seus parceiros; do outro, as produtoras de Leandra Leal, Daza Cultural e do próprio Bruno. O Canal Brasil também entrou com patrocínio e comprou os filmes para exibir na TV e cinemas e distribuir em DVD.

Dinheiro bom “É outro tipo de realização independente, que chamamos de dinheiro bom, por não ser dinheiro incentivado nem público. É dinheiro privado e isso é muito legal. Gera uma luz para novos caminhos na realização cinematográfica. E isso traz muita força para a operação”, conta Bruno Safadi. A ideia é lançar os três filmes ao mesmo tempo. “Vamos fazer disso um acontecimento, mas antes das salas comerciais queremos participar de festivais nacionais e internacionais. Vamos ver as possibilidades. Assim que os filmes estiverem prontos, vamos mostrar. Tenho a impressão de que já há uma curiosidade muito grande sobre eles. Temos atrizes maravilhosas e pessoas no elenco e produção que causam muita curiosidade”, diz o diretor carioca, em temporada no JK.

Os três filmes da Operação Sonia Silk são O uivo da gaita, que discute o conceito da modernidade líquida e como ela se apresenta em um triângulo amoroso; Éden, que teve seu projeto premiado em 2011 no Cine BH e discute a salvação (ou não) pela Igreja Evangélica; e um documentário sobre esse processo,Metamancia. O neologismo vem de uma brincadeira com as etimologias de meta, “reflexão crítica sobre”, e mancia “adivinhação”. É esperar para ver.

Farc liberta jornalista francês sequestrado em abril



Farc liberta jornalista francês sequestrado em abril

Publicação: 30/05/2012 17:15 Atualização:
Jornalista francês Romeo Langlois filmou toda a operação onde foi libertado pela Farc   (LUIS ACOSTA / AFP)
Jornalista francês Romeo Langlois filmou toda a operação onde foi libertado pela Farc

O jornalista francês Romeo Langlois foi libertado nesta quarta-feira pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Ele reapareceu hoje em um remoto povoado do sul colombiano e reuniu-se com a comissão à qual foi entregue pelas Farc. Ao ser solto, o jornalista de 35 anos de idade vestia uma camisa verde parecida com um uniforme militar.

Em meio a um tumulto de jornalistas e curiosos em San Isidro, Langlois disse que está bem. Ele relatou não ter sido maltratado nem amarrado durante o período de cerca de um mês que ficou em mãos dos rebeldes colombianos. Afirmou ainda que a experiência o ajudou a entender melhor o conflito no país sul-americano.

Ainda não se sabe quando Langlois deixará San Isidro, um povoado situado 450 quilômetros a sudoeste de Bogotá. As declarações do jornalista foram transmitidas ao vivo pela rede Telesur, com sede em Caracas.

UFC anuncia substituto de Vitor Belfort: Rich Franklin vai encarar Wanderlei Silva




UFC anuncia substituto de Vitor Belfort: Rich Franklin vai encarar Wanderlei Silva

Wand terá revanche contra ex-campeão dos médios no UFC em Belo Horizonte

Ailton do Vale - Superesportes
| Tags: mma  celular 

Publicação:

30/05/2012 15:47
  

Atualização:

30/05/2012 19:33
Getty Images/UFC
Professor de matemática e lutador, Franklin substituirá Belfort no UFC 147 no Mineirinho

Com a lesão na mão esquerda de Vitor Belfort, o UFC teve de encontrar às pressas um novo adversário para Wanderlei Silva visando à edição 147 do evento, que acontecerá no dia 23 de junho, no Mineirinho, em Belo Horizonte. Na tarde desta quarta-feira, o twitter oficial da organização no Brasil anunciou o norte-americano Rick Franklin como substituto de Belfort. 

O veterano Rich Franklin, de 37 anos, estava escalado para enfrentar o vietnamita Cung Lee no card principal do UFC 148. Agora, ele terá a chance de disputar o combate principal da noite contra um antigo rival. Em 2009, o lutador venceu Wanderlei Silva, na decisão unânime dos juízes, na edição 99 do Ultimate, realizada na Alemanha.

Getty Images/UFC
Rich Franklin venceu Wanderlei em 2009
Franklin conquistou o cinturão dos médios em 2005, no UFC 53, quando venceu Evan Tanner, por nocaute técnico. Ele defendeu seu título com sucesso diante de Nate Quarry e David Loiseau. No entanto, no dia 14 de outubro de 2006, o norte-americano teve pela frente o brasileiro Anderson Silva e foi derrotado depois de receber uma saraivada de joelhadas do melhor lutador peso por peso da atualidade. 

No ano seguinte à derrota para Anderson, Rich Franklin teve direito a uma revanche após vencer duas lutas seguidas: bateu Jason MacDonald e Yushin Okami. No entanto, ele sofreu novo revés. Desde então, ele tem acumulado altos e baixos no UFC. De 2008 a 2011, Franklin derrotou Travis Lutter, Matt Hamill, Wanderlei Silva e Chuck Liddell, mas perdeu para Dan Henderson, Vitor Belfort e Forrest Griffin. 

Além de ser um lutador de MMA, Rich Franklin é professor de matemática. O apelido do atleta é ‘Ace’ em alusão ao personagem de Jim Carrey no filme Ace Ventura.

UFC 147

23 de junho, em Belo Horizonte (MG)

CARD PRINCIPAL


Wanderlei Silva x Rich Franklin

Finalista 1 do peso-pena do TUF Brasil x finalista 2 do peso-pena do TUF Brasil

Finalista 1 do peso-médio do TUF Brasil x finalista 2 do peso-médio do TUF Brasil

Fabrício Werdum x Mike Russow

Miltinho Vieira x Felipe Sertanejo

Iuri Marajó x Hacran Dias

Servidores do Judiciário protestam em apoio à família do oficial de Justiça encontrado morto



Servidores do Judiciário protestam em apoio à família do oficial de Justiça encontrado mortoTrabalhadores reinvidicam melhores condições de trabalho

Publicação: 30/05/2012 16:40 Atualização: 30/05/2012 18:31
 (Juarez Rodrigues/EM/DA PRESS)
Servidores da Justiça do Trabalho das instâncias federal e estadual se reuniram na tarde desta quarta-feira em uma manifestação em solidariedade à família do oficial de Justiça Daniel da Cunha, de 54 anos, encontrado morto nessa segunda-feira, após ficar cinco dias desaparecido. Os funcionários também pediram melhores condições de trabalho. De acordo com o presidente da Associação dos Oficiais de Justiça, Wellington Gonçalves, cerca de 150 pessoas participaram do protesto em frente ao prédio da Justiça Federal.

Mesmo sem descartar nenhuma hipótese sobre a morte de Daniel, a Polícia Civil já tem indícios de que o assassinato não tem relação com a sua atividade profissional. A hipótese mais provável é que ele tenha sido vítima de latrocínio (roubo seguido de morte). Mas os colegas de trabalho afirmam que o risco de vida é constante na profissão. “Para cumprir um mandado, em princípio tem que se virar. No máximo tem um colega para acompanhar e correr o risco junto com você. Não tem um mapeamento para saber a periculosidade das áreas da cidade para onde estamos nos dirigindo.” explica Wellington. De acordo com ele, “nunca se sabe quem vai abrir a porta. Já teve caso do carro do oficial ser depredado".

Para trabalhar com mais segurança, alguns servidores reivindicam porte de arma, mas não há um consenso, explicou Wellington Gonçalves.